©Wade Zimmerman
©2Portzamparc - Elizabeth de Portzamparc Arquiteta
©Serge Urvoy

Musée de la Romanité

França - Nîmes 2012 › 2017
Leia mais
©2Portzamparc - Elizabeth de Portzamparc arquiteta
©Wade Zimmerman
©Serge Urvoy
©Serge Urvoy
©2Portzamparc - Elizabeth de Portzamparc arquiteta
©2Portzamparc - Elizabeth de Portzamparc arquiteta
©Serge Urvoy
©Wade Zimmerman
©Wade Zimmerman
©Serge Urvoy
©Serge Urvoy
©Serge Urvoy
©Nicolas Borel

Inaugurado em 2 de junho de 2018, o Musée de la Romanité estabelece um diálogo arquitetônico forte entre dois prédios separados por dois mil anos de história. Ele se encontra na espinha dorsal do local, outrora limite entre a cidade medieval e a cidade moderna. Sob estes vestígios se sobrepõem vinte séculos de camadas urbanas e tantas outras peças de arquitetura representativas. Lá se encontra o patrimônio excepcional da cidade de Nîmes.

A proposta de Elizabeth de Portzamparc se traduz em um diálogo por oposição e complementaridade. Os vinte séculos de História que separam estes dois monumentos exigem o estabelecimento de um diálogo justo, apesar de suas diferenças. Duas geometrias, dois materiais e duas molduras se encontram: em frente à massa de pedra e ao desenho magnífico dos arcos verticais que Roma deixou, o prédio irradia uma presença clara, luminosa, uma arquitetura contemporânea fluida e diáfana, onde os drapeados horizontais parecem levitar sobre o chão e o jardim arqueológico. Com o Palácio da Justiça à sua frente, há uma nova visão da praça local e da curva da Arena onde o prédio do Museu se enquadrará: sua leveza, frente ao maciço clássico, cria um diálogo de modo respeitoso e excepcional.

Entre o café e o hall de entrada, uma grande rua interna, que se pode atravessar mesmo quando o museu está fechado, ligando a sua praça ao jardim arqueológico seguindo os vestígios das ruínas romanas. Este caminho semipúblico cria uma abertura visual e um acesso ao jardim arqueológico, atraindo os pedestres e destacando o eixo romano entre as ruínas e as Arenas. No coração desta passagem, um átrio de 17 metros de altura revela uma cenografia dos fragmentos da « Source », levando-nos a descobrir o museu.

Do átrio, o visitante é atraído pelo jogo de curvas das escadas de Chambord e convidado a seguir um percurso todo em ascensão. A subida é realizada por rampas suaves que oferecem vistas do alto sobre as coleções. Grandes janelas abrem as salas para o jardim e para as Arenas. O teto terraço, resultado do percurso, oferece um panorama sobre os 20 séculos de História de Nîmes, sobre a Torre Magna e sobre toda a cidade.

Concurso, projeto vencedor

Programa

Urbanização do îlot Grill. Construção do Museu da Romanidade, do jardim arqueológico e de um centro de congresso. Museografia.

Cliente

Cidade de Nîmes

Arquiteta

Elizabeth de Portzamparc

área

9.100 m²