©Nicolas Borel
©Nicolas Borel

Residencial Pont de Lumière

França - Metz 2010 › 2016
Leia mais
©2Portzamparc - Elizabeth de Portzamparc arquiteta
©2Portzamparc - Elizabeth de Portzamparc arquiteta
©Nicolas Borel
©Nicolas Borel
©Nicolas Borel
©Nicolas Borel
©Nicolas Borel

O residencial Pont de Lumière se posiciona como uma nova entrada para a ZAC (Zona de desenvolvimento concertado) e anuncia futuros desenvolvimentos no setor. O projeto está localizado no final da ZAC, na continuidade das operações que se desenvolvem em torno do Centro Pompidou, de acordo com o plano de desenvolvimento e a divisão do quarteirão realizada pela agência ANMA.

O desenvolvimento na forma de ZACs e subdivisões em projetos de redesenvolvimento urbano, industrial e militar no coração das cidades e em suas periferias é o desafio de formas urbanas e novas densidades. A residência dá acesso ao novo distrito, garantindo o vínculo com a cidade existente que o limita.

Sua base pontuada com comércios locais tem a missão de revitalizar a rua Lothaire e criar uma rótula incitando a penetrar na ZAC. A fachada construída foi dividida para criar diferentes endereços e efeitos visuais para quebrar qualquer impressão de massa mineral. O coração do quarteirão é decorado com um jardim no nível + 1 acima do térreo, para dar uma altura de perspectiva para a zona verde onde as circulações entre os edifícios convergem. Da rua, os transeuntes podem descobrir esse jardim.

A operação realizada por Elizabeth de Portzamparc integra 70% de moradias sociais. Procurou-se fazer uma mistura de tipologias de apartamentos, desde 1 quarto até o duplex de 5 quartos. Nesta subdivisão mista, a intervenção de Elizabeth de Portzamparc se insere em um quarteirão compartilhado com uma torre de Christian de Portzamparc. Por isso, seus edifícios mantêm as formas curvas do telhado deste último e um tratamento de revestimento branco e revestimento de zinco para as superfícies de concreto. Para aerar toda a massa arquitetônica, ela optou por uma variação de escalas que cortam a paisagem.

A residência é dividida em duas entidades, cada uma com sua própria personalidade arquitetônica, mas mantendo uma verdadeira coerência global. Isso evita a monotonia e reforça a identidade de cada edifício. Deve-se notar que não há qualquer diferença qualitativa entre os edifícios com apartamentos para aquisição e aqueles reservados para as moradias sociais. O mesmo rigor e cuidado foram aplicados a todos os edifícios, a fim de proporcionar a todos uma ótima qualidade de vida e ambiente.

Este projeto faz parte de um compromisso com o desenvolvimento sustentável, buscando o desempenho BBC (a construção atende ao padrão BBC e à ventilação natural). Sua arquitetura foi desenvolvida com um princípio de isolamento externo. A fim de proporcionar luz máxima às habitações, procurou-se garantir que nenhum apartamento fosse mono-orientado. Esta exposição dupla dá a cada apartamento, dependendo da exposição, um acesso prolongado à luz natiram durante o dia.

A posição dos edifícios permite que os quartos sejam posicionados em zigue-zague de um edifício para outro, o que evita uma visibilidade excessiva, liberando aberturas visuais e permitindo uma melhor penetração da luz natural. Tendo posicionado os térreos habitados dos edifícios a +6,5 m em relação ao nível da rua Lothaire, liberou-se as fachadas sul do vis-à-vis com os prédios existentes.

A fim de otimizar a penetração da luz natural, todas as salas de estar possuem janelas grandes com 2 e 3 painéis e vista para grandes loggias ou terraços generosos. A altura mínima de 2,6 m do pé-direito também gera uma penetração profunda da luz natural. A parte inferior dos desníveis dos telhados será habitada por duplex ou por salas de jantar com pé-direito alto banhadas de luz.

Contrato privado

Programa

Construção de apartamentos para aquisição (80 %), moradias sociais (20 %), lojas estacionamentos

Cliente

Groupe Rizzon

Arquiteta

Elizabeth de Portzamparc

Área

5.800 m² (total do projeto: 10.600 m²)